terça-feira, 20 de dezembro de 2016

TURBULÊNCIA NA POLÍTICA

Ely Aguiar criticou durante a PEC que prevê o fim da Corte de Contas. Robério Monteiro, processado 32 vezes, não gostou

Deputados discutem na Assembleia sobre extinção do TCM e a discórdia quase termina em tapas (veja vídeo)
Ely Aguiar e Robério Monteiro foram contidos por assessores

O clima de tensão entre deputados na Assembleia Legislativa do Ceará continua e, na sessão desta terça-feira (20), um bate-boca quase termina em vias de fato. O incidente aconteceu logo após um duro pronunciamento feito em Plenário pelo deputado estadual Ely Aguiar (PSDC), se posicionando contra a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Ao ocupar a tribuna, Aguiar leu um texto que, segundo ele, já está rondando nas redes sociais e lista os deputados estaduais que, atualmente, são alvos de investigação pelo TCM por uso indevido de verbas públicas. O parlamentar foi incisivo nas duas palavras contra a extinção da Corte, muito embora não tenha citado os nomes dos deputados cujas contas estão sendo vasculhadas pelos conselheiros do TCM e que podem gerar processos de cassação ou suspensão dos mandatos por crime de improbidade administrativa.

Foi o suficiente para que outro deputado – que está sendo investigado – Robério Monteiro partisse para o confronto com Ely Aguiar. O que poderia gerar uma briga entre os dois parlamentares foi evitado graças a ação rápida de funcionários da Mesa Diretora, assessores dos dois políticos e até de jornalistas que fazem a cobertura das atividades  da AL.

“Quem tem rabo de palha, que responda”, disse Ely. O deputado Robério Monteiro tem suas razões para querer o fim do Tribunal de Contas, pois naquela Corte ele responde a, nada menos, que 32 processos por uso indevido de verbas públicas.

A votação da proposta de Emenda Constitucional (PEC) que prevê a extinção do TCM está causando um clima de tensão e muito bate-boca na AL. A pedido do governador Camilo Santana (PT), a bancada governista que votar a PEC, em regime de urgência, até a próxima semana, isto é, antes do recesso parlamentar de Ano-Novo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário